Posts Tagged ‘folha de s paulo’

Alvo de espionagem, Dilma convoca reunião de emergência


A presidente Dilma Rousseff convocou uma reunião de emergência com ministros para tratar sobre a denúncia de que até ela entrou na mira dos programas de espionagem dos Estados Unidos. Segundo o programa Fantástico, da Rede Globo, a NSA (Agência de Segurança Nacional) colocou a presidente do Brasil em observação.

Documentos vazados pelo ex-técnico da NSA Edward Snowden revelam que as comunicações de Dilma junto a assessores, e destes com terceiros, vinham sendo monitoradas com ajuda de programas que chegam a ver até o conteúdo de e-mails.

Os Estados Unidos espionavam Dilma para “melhorar a compreensão dos métodos de comunicação e dos interlocutores da presidente e seus principais assessores”.

A informação constava em uma apresentação interna feita para funcionáros da NSA, em que se dizia que o presidente do México, Enrique Peña Nieto, está sendo observado também.

De acordo com a Folha de S.Paulo, os ministros Gilberto Carvalho (Secretaria-Geral da Presidência), Paulo Bernardo (Comunicações), Celso Amorim (Defesa), Helena Chagas (Comunicação Social), José Eduardo Cardozo (Justiça) e Luiz Alberto Figueiredo (Relações Exteriores) conversariam com Dilma.

Ao jornal, Carvalho confirmou ter sido convocado devido a uma “situação de emergência” e, mesmo sem dizer sobre o que se tratava, chegou a citar a espionagem. Bernardo, apesar de considerar a situação “um absurdo completo”, descartou problemas de segurança nacional. “Isso é arapongagem para obter vantagem nas negociações comerciais e industriais”, afirmou.

Anúncios

Vivo oferece pior serviço de dados de São Paulo, revela Anatel


A Anatel revelou seu levantamento que aponta que a operadora Vivo oferece aos clientes o pior serviço de dados no estado de São Paulo e na capital. Além disso, nenhuma das concorrentes atingiu a meta mínima de qualidade exigida no estado entre janeiro e abril deste ano.

Na cidade de São Paulo a situação é semelhante. Nenhuma das grandes operadoras alcançou os índices mínimos da Anatel.

O órgão regulador estabelece que o número de conexões realizadas represente 98% ou mais das tentativas de acesso à rede, como aponta a Folha de S. Paulo. Um resultado perfeito seria de 100%.

No estado de SP, a Vivo ficou com o pior resultado de apenas 91,91%. Com o segundo pior resultado aparece a Claro, com 93,57%. Completa o pódio a TIM, com 95,78%. A Oi foi a que mais se aproxima da meta, com 97,64%.

Já considerando a cidade, o resultado da Vivo é de 91,69%. A TIM fica com o segundo lugar, com 93,27%, com a Oi preenchendo a terceira colocação com 97,17%. Quem mais se aproxima do mínimo é a Claro com 97,7%.

À Folha, a Vivo afirma que cumpre as metas, já que considera uma margem de tolerância 5%. A Oi afirma que está investindo para melhorar seus serviços e a TIM afirma estar analisando os resultados. A Claro se recusou a comentar resultados específicos e diz cumprir metas nacionais.

Governo quer parte da faixa do 4G para criar rede independente

Ministério da Defesa pediu fatia da frequência na intenção de desenvolver um sistema que não dependa de operadoras para funcionar

Telefone

 

O Ministério da Defesa pediu à Agência Nacional de Telecomunicações parte da faixa de frequência de 700 MHz, que será usada pelas teles para implantação do 4G. O órgão, de acordo com a Folha de S.Paulo, quer uma fatia do espaço para criar um sistema próprio de comunicação, que funcione de forma independente às operadoras.

Em parceria com a Motorola Solutions, a pasta desenvolveu um projeto quer serviria de plano piloto. Pela faixa passariam voz e dados, espaço ideal para, por exemplo, transmissão de imagens de áreas fronteiriças do Brasil para monitoramento. Tudo em tempo real.

O problema é que o entorno dos 700 MHz já está separado para a telefonia de quarta geração e prevê-se que será distribuído apenas entre operadoras. Se a Anatel disser que libera um espaço à Defesa, o primeiro plano terá de ser refeito.

Segundo a Folha, o próprio Ministério das Comunicações não está disposto a aplicar mudanças no que já foi feito e deu ideia de que o serviço de comunicação governamental fique em outra frequência ou seja instalado apenas nas áreas de fronteira, pois são desinteressantes para as teles.

Só que as alternativas gerariam entraves para a Defesa. Ao jornal, o diretor de Estratégias da Motorola Solutions, Bruno Nowak, disse ser um “desafio de engenharia” fazer com que o mesmo sistema funcione em outra frequência.

“O que propusemos já existe e é usado em outros países. Leva tempo desenvolver uma nova tecnologia, em média cinco anos”, afirmou.

Fonte: Olhar Digital

Chegada de operadora americana pode baratear TV paga

Início das atividades depende apenas do pedido de autorização

Dish TV

 

A operadora americana de TV por satélite DishTV estará em breve à disposição dos brasileiros, diz a Folha de S.Paulo. O jornal informa que a Anatel só aguarda o pedido de autorização para início das atividades.

Especula-se que a chegada da operadora, do bilionário Charles Ergen, diminua em até 30% os preços dos pacotes de TV por assinatura. Atualmente o mercado é dominado essencialmente por Sky e Net que, juntas, têm cerca de 70% dos assinantes.

Antes de desembarcar por aqui, a DishTV buscou acordos para reduzir seus investimentos locais. Segundo a Folha, a negociação com a Telefônica girou em torno de uma parceria em que a companhia espanhola compartilharia 670 mil assinantes que hoje recebem TV e internet pela tecnologia micro-ondas.

No entanto, o acordo foi inviabilizado depois do leilão de 4G, realizado em junho de 2012. Vencedora da disputa, a Telefônica foi obrigada a desistir das licenças de micro-ondas devido à sobreposição, prática proibida pela legislação do setor.

A Oi também chegou a ser sondada pela empresa norte-americana, mas as conversas não evoluíram.

A vinda da Dish se tornou possível graças à Huges, empresa também controlada por Ergen, vencedora de um leilão da Anatel para lançamento de satélite no espaço brasileiro. Na ocasião, o lance de R$ 145 milhões e ágio de 3.500% afastaram a Sky da disputa.