Washington – Pelo menos 25 estados dos Estados Unidos, de 30 analisados, registraram a presença de “superpiolhos” resistentes a tratamentos comuns contra estes insetos e contra os quais apenas antibióticos são eficientes, de acordo com uma pesquisa da Universidade Southern Illinois.

Os resultados do estudo, que será apresentado na próxima semana na Conferência Nacional da Sociedade Química Americana, foram antecipados nesta sexta-feira pela imprensa local.

O pesquisador e professor de biologia Kyong Sup Yoon analisou pela primeira vez amostras de piolhos de 30 estados e só em 5 deles não achou rastro de piolhos com alta resistência a inseticidas piretroides.

Os piretroides são as substâncias químicas mais frequentes nos xampus e cremes que podem ser comprados em qualquer farmácia ou sem receita médica para acabar com os piolhos na cabeça, comuns entre crianças.

A pesquisa conclui que o uso durante décadas deste tipo de tratamentos fez com que os piolhos evoluíssem e adquirissem resistência aos mesmos.

Isto pode ser uma das causas que expliquem o aumento de casos de piolhos nos Estados Unidos desde a década de 90, apesar da maior disponibilidade de tratamentos de qualidade para eliminar estes insetos.

“O problema é que se for usado em excesso um só produto ao longo do tempo, se prepara terreno para que se desenvolva a resistência”, disse Yoon, que reconheceu que algumas partes de suas pesquisas de 15 anos sobre este tema foram financiadas por empresas que propõem alternativas aos tratamentos com piretroides.

Os “superpiolhos” se desenvolveram a partir de um trio de mutações que afeta o sistema nervoso do inseto e o torna menos sensível aos produtos químicos que os tratamentos contêm.

Segundo a pesquisa, resultados preliminares de estudos em curso mostram que em 48 estados (dos 50 totais, mais o Distrito de Columbia), só 5 estão livres dos chamados “superpiolhos”.

“Se você ou seu filho têm piolhos, há uma alta probabilidade de que esses piolhos sejam resistentes aos tratamentos comuns”, advertiu Yoon.

.

Via Exame.com