6o Congresso de Gerenciamento de Projetos PMI-MG

Postado por Fabricio Calais Ayres

Nos dias 19 e 20 de Setembro, tive o prazer de participar do 6º Congresso de Gerenciamento de Projetos promovido pelo PMI-MG. Foi uma grande oportunidade de aprendizado, reencontro com amigos da área de gerenciamento de projetos e prática de networking.

Gostaria de compartilhar com vocês, prezados leitores, um resumo do que de melhor aconteceu, na minha humilde opinião, neste grande evento.
Com uma pontualidade britânica, a abertura do evento ocorreu às 09:00 horas com as boas vindas sendo proferidas pelo presidente do PMI-MG, Ivo Michalick. Ele aproveitou a oportunidade para informar que esse capítulo atingiu a marca de 1001 participantes, passando assim a fazer parte da categoria III. Parabéns presidente! Ainda na abertura, Juliano Reis, representante brasileiro do PMI, comentou sobre o momento especial pela qual passa a economia do nosso pais e da carência de profissionais de gerenciamento de projeto para atender ao crescimento do Brasil.
Na sequência, o Keynote Speaker – Christian Barbosa, apresentou, com grande propriedade, a palestra “Mais Tempo – Como conseguir mais equilíbrio e produtividade”. Foi exibido um vídeo que no mínimo nos faz refletir sobre o uso que fazemos do nosso tempo. Vale a pena conferi-lo:
Ele aproveitou para informar um dado estatístico que nos serve de alerta: apenas 1/3 das reuniões são eficazes. Colegas Gerentes de Projetos, como estamos conduzindo, organizando e até mesmo filtrando as reuniões que devemos participar? Apresentou ainda o método “A tríade do tempo” em que propõe a divisão das atividades em “Importantes”, “Urgentes” e “Circunstanciais” sendo que o ideal é a divisão 70% para “Importantes”, 20 % para “Urgentes” e 10% para “Circunstanciais”. Segundo o próprio autor da metodologia, o desafio da Tríade ideal é manter sua vida baseada nas coisas mais importantes e tirar das urgências e das coisas circunstanciais o poder de influenciar sua vida. Christian alertou ainda sobre a criação do senso de urgência nas organizações, e o pior: sua valorização. Citou o exemplo de gerentes que solicitam às 17:45 horas um relatório complexo a seus subordinados e os premiam uma vez concluído o trabalho, ainda no mesmo dia, sobre grande pressão e estresse. A palestra foi simplesmente genial. Mais informações podem ser obtidas em www.triadeps.com.br.
A próxima palestra que assiste foi “Como melhorar a maturidade do gerenciamento de projetos, programas e portfolios em sua empresa” proferida Carlos Magno da Beware Consultoria. Ele comentou bastante sobre a importância da capacidade de adaptação dos líderes, principalmente na hora de decidir como conduzir os diferentes tipos de projetos sob suas responsabilidades. Recomendado ainda, a adoção de uma metodologia que contemple, de alguma maneira, as nove áreas de conhecimento segundo o PMBOK. Outro fator de sucesso citado pelo palestrante foi a existência de um ponto focal no projeto baseado na regra de Paretto que diz que 20% das causas geram 80% das consequências. A importância do papel do PMO como facilitador dos projetos também foi lembrada. http://www.beware.com.br/noticia.php?id_not=116
Após o almoço, a palestra “Gerente também é gente” não permitiu ninguém ficar com sono. André Barcaui conduziu brilhantemente a apresentação tratando assunto sério com uma doze de humor. Comentou a enorme lista de competências exigidas ao gerente de projetos que precisa ser quase um “Super Homem”. Achei interessante o quadro exibido por ele a respeito dos tipos de habilidades comportamentais ao longo da carreira gerencial.
Foi muito comentado também, o desafio dos gerentes de projetos quanto à questão do choque de gerações. Hoje em dia é muito comum pessoas das gerações “Belle Epoque”(1920 a 1940), “Baby Boomers” (1941 a 1960), “Geração X” (1961 e 1980) e “Geração Y” (1980 a 1999) formarem equipes de projetos. O gerente de projetos deve estar preparado para saber lidar com cada uma destas gerações. Mais informações em www.bbbrothers.com.br .
Logo após, foi a vez da palestra “Gestão Emocional: Uma abordagem cognitivo comportamental” conduzida por Vera Martins da Assertiva Consultores. Autora do livro “Seja Assertivo!”, Vera nos apresentou algumas dicas para desenvolvermos relações maduras e a respeitar os direitos e opiniões dos outros sem deixar de sermos assertivos, comportamentos estes, tão valorizados no caso dos gerentes de projetos. Mais informações emhttp://pt.wikipedia.org/wiki/Assertividade e http://www.assertiva.com.br/.
O 1º dia do congresso foi fechado com a palestra “Gerenciamento de projetos aplicado a projetos de BPM” onde as palestrantes Sandra Camelo e Paula Coelho explicaram as relações existentes entre Gerenciamento de Projetos e Gestão de Processos.

O 2º e último dia do congresso começou com a palestra “Gestão de Conflitos no processo de Desenvolvimento Sustentável” proferida por Olympio Barbanti da Kastalia Consultoria. Confesso que minha expectativa era outra: resolução de conflitos internos. Contudo, algumas conclusões sobre conflitos foram muito bem repassadas: “Muitas vezes um conflito não tem solução. Deve-se conviver com ele realizando sua gestão”. “Independente da estratégia a ser adotada em resoluções de conflitos, a comunicação é essencial”. “Os conflitos podem ser benéficos”. Foi apresentado também, o ciclo de vida de conflitos (Gatilho>Escalada>Clímax> Negociação>Acordo).

A próxima palestra que assisti foi uma das minhas preferidas do congresso: “As dificuldades comportamentais do GP: Vencendo Desafios” de Cleyson Dellcorso. Ele toca em um assunto polêmico ao criticar o nosso atual sistema de ensino (fundamental, médio e até mesmo superior) que aboliu em quase sua totalidade disciplinas como Filosofia, Sociologia, Antropologia justificando, em parte, certas carências comportamentais da maioria dos gerentes de projetos. “Não fomos formados e nem estamos preparados para trabalhar com gente”. Foi listada por ele uma série de Soft Skills essenciais para o gerente de projetos(me lembrei do Super Homem da palestra do André Barcaui). São elas: Liderança (a principal segundo ele), Trabalho em equipe, Capacidade de Negociação, Comunicação, Criatividade, Inovação, Prudência, Flexibilidade, Otimismo, Assertividade (lembram da palestra da Vera Martins?), Ética, Visão Sistêmica, Qualidade de Vida, Compartilhamento do Conhecimento, Autodesenvolvimento, Intuição. Ele frisou bastante a qualidade de vida incentivando aos participantes da palestra a conhecer bem as pessoas das suas equipes e envolve-las em sua vida pessoal e se envolver na delas. Devemos tratar a equipe como parte da nossa família. Forte, não? Pra quem achou a lista de comportamentos muito grande, ele deixou uma dica de livro que pode ajudar: “O amor é a melhor estratégia” de Tim Sanders (um dos fundadores do Yahoo). Mais informações em www.dellcorso.com.br.
A palestra seguinte foi “Scrum Contracts” (Heitor Roriz). Dela, sai com a certeza de que as organizações e também os gerentes de projetos precisam tomar muito cuidado de quando e como usar metodologias ágeis em projetos (lembram da flexibilidade?). O palestrante citou um caso de um encontro SCRUM que contou com a participação do consagrado Ricardo Vargas o qual foi questionado por um participante sobre a nova tendência das equipes autogerenciáveis (mundo ágil). Conforme definido pelo Scrum, a figura do GP é desnecessária. Ricardo Vargas rebateu a pergunta questionando se ele usaria SCRUM em um projeto de construção de uma plataforma de petróleo envolvendo bilhões de reais. Mais informações em www.massimus.com.

“Como você está criando a sua carreira em uma terra de oportunidades?” foi a palestra apresentada por André Choma da Vale que deixou 7 dicas preciosas aos GPs:
  1. Estabeleça uma meta;
  2. Busque capacitação constante;
  3. Estabeleça boas relações no trabalho;
  4. Eleja um mentor;
  5. Busque feedback constante;
  6. Exponha-se;
  7. Networking.
Qualquer semelhança com outras palestras não é mera coincidência. Ainda não se esqueceram do Super Homem, né? Dica de livro do palestrante: “Paixão por Vencer” de Jack Welch.
A palestra mais descontraída do evento foi “Gestão de Vidas: o seu projeto mais importante”. Marcelo Andrade compartilhou experiências de vida com a plateia sensibilizando-a da importância de saber equilibrar a vida profissional com a vida pessoal. Bacana!
Superando todas as minhas expectativas, o congresso foi fechado com chave de ouro. Amir Klink simplesmente deu um show ao relatar suas aventuras náuticas e permitir que a plateia traçasse, quase que automaticamente, um paralelo com a realidade do gerenciamento de projetos. “Possuo mais de 20 viagens à Antártica. Cada nova viagem, a trato de maneira diferente, passando por ansiedades e medos até mesmo maiores que os da primeira”. Preciso dizer alguma coisa?http://www.amyrklink.com.br/
De forma geral o Congresso foi muito bem organizado e aproveito para parabenizar a todos os responsáveis por esse grande projeto que foi um grande sucesso! Comemorem!

 

 

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: